quinta-feira, 21 de abril de 2016

Bela, recatada e do lar

Pois é... Marcela Temer está viralizando na Internet, principalmente nas redes sociais. Tudo graças à reportagem da revista Veja, de mesmo título, que vem tirando o sono de muitas mulheres.

A revista fez matéria na edição extra digital sobre a possível primeira-dama (se o processo de impeachment causar o afastamento da presidente Dilma),  claramente tentando caracterizar a esposa de Temer como alguém digna da posição de cônjuge de um presidente "de direita".

O tiro saiu pela culatra. Não importa se ela era modelo de biquinis, se aos 20 anos aceitou casar com um homem 43 anos mais velho e, por ele, abandonou a profissão. Tampouco faz diferença se ela usa saias abaixo do joelho. Isso não é problema na sociedade atual. O que "pegou mal" foi a tentativa frustrada de apresentar um modelo feminino tradicional  (no pior sentido da palavra), após as mulheres terem obtido tantas conquistas. A reação foi quase imediata: piadas e manifestações feministas por todo lado.

O que também não ficou bem foi a postura da revista, que tanto ataca a presidente Dilma (que já foi alvo de críticas por um suposto jeito "masculino" de ser), justo na madrugada seguinte à votação do processo do impeachment na Câmara, dar uma "puxada de saco" no vice-presidente Temer (um marido de sorte, segundo a revista). Em tempos de suspeita de golpe, todo cuidado é pouco! Ou será que a revista vai mudar a linha editorial? Moda e família até então não eram comuns nas edições. 

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Solidão

Assisti a um vídeo interessante, em que o narrador afirma que encontramos a felicidade dentro de nós mesmos e não nas outras pessoas...
Os outros não são culpados por nossas tristezas e solidões, até aí concordo....
Mas não somos ilhas autossuficientes... Estamos mais para navios que navegam ora sozinhos, ora em esquadra.
Mesmo em esquadra, é preciso um porto seguro às vezes, para fazer manutenção e reabastecimento
É possível navegar sozinho uma vida inteira, desde que se tenha um porto seguro. Mas, de outra forma, a solidão corrói o casco, o combustível vai terminando aos poucos e o navio fica a deriva até afundar lentamente
Não há nada mais triste do que ver um navio abandonado afundando lentamente com o passar dos anos...
O cara do vídeo provavelmente terminou o trabalho e foi comemorar... Ninguém é tão autossuficiente a ponto de comemorar sozinho... Ninguém abraça sozinho... Ninguém é consolado sozinho... Ninguém conta uma piada, faz uma festa, torna a casa aconchegante... Sozinho...
Não conheço ninguém livre o suficiente para ir a Gramado sozinho no dia dos namorados.... Nem para ir num jantar romântico desacompanhado... Não conheço alguém que faça uma festa de aniversário sozinho...
Mas conheço muitas pessoas... Crianças até, que resistem à solidão...
E, às vezes, a única forma de se proteger do mundo, a última alternativa antes de afundar, é atacar outros navios e aproveitar os despojos de guerra... O ódio, a agressividade, a violência são gritos de solidão. São pedidos de socorro mal compreendidos...
Enquanto olhamos com desaprovação ou desviamos nosso olhar, do conforto de nossos portos seguros, navios afundam... Uns silenciosos, depressivos, outros violentos e explosivos... E a única coisa que nos permitimos fazer é rezar para que não nos tirem nosso porto...

sábado, 23 de maio de 2015

Chuva em Rosário do Sul

Depois de muitos dias, a tão esperada chuva chegou. Há tantas notícias sobre escassez de água que é um alívio quando chove...

Que seja tranquila e bem vinda! E que traga junto consigo a consciência da importância da preservação do meio ambiente.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

A CENOURA E A TARTARUGA


Certa vez, quando ainda estudante do Ensino Fundamental, ouvi de um professor a história de uma experiência feita com uma tartaruga.
Contou ele que prenderam a extremidade de uma vara no casco da tartaruga. Na outra extremidade, um cordão no qual pendia uma cenoura, de forma que ela ficava a alguns milímetros do alcance do referido quelônio.
Confesso que nunca confirmei se tartarugas gostam de cenouras. O fato é que, pelo menos nesta história, a tartaruga caminhava, olhos fixos e pescoço espichado, tentando em vão comer a cenoura que não acompanhava seu movimento.
Para dar um alcance maior à lição, o professor contava que, no caminho da tartaruga, foram colocadas várias outras cenouras que ela nem percebeu, tal a ânsia de atingir a meta tão próxima e tão impossível.
Embora não tenha confirmado se biologicamente a história é correta, gosto da metáfora. E reflito:  quais são as nossas metas? Quais são nossas cenouras?
Temos ou não uma “cenoura-na-vara”? Por que corremos? O que nos move? Para onde estamos indo?
Enquanto questiono-me, percebo que não importa se corro atrás de uma única cenoura ou se pego qualquer uma do caminho. Importa é a consciência do caminhar: de onde venho, para onde vou, porque e como vou.
Não existe uma fórmula ou método certeiro para uma vida feliz. No entanto, a consciência do que fazemos já é um ótimo começo.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

A APOSTA


Antônio gostava de apostar. Nada de vício ou ilegalidade. Morador da “Fronteira”, volta e meia ia a um Cassino no Uruguai para apostar na roleta. Não queria ficar rico. Apostava apenas alguns trocados em vários números. Perdia mais do que ganhava, era feliz assim.
Eduardo, irmão de Antônio, tinha uma pequena propriedade. Plantava um pouco de tudo, criava alguns animais... não enriquecia, mas garantia o sustento da família e um certo conforto. Criticava muito o irmão por seu pequeno vício de apostar.
Acontece que um dia um economista passou em frente à propriedade de Eduardo. Quis o destino que um pneu furado apresentasse os dois. E a solicitude de Eduardo rendeu um almoço ao economista e um passeio pela propriedade.
Grato pela acolhida, o economista deixa um conselho: o preço da soja subiria muito naquele ano. Eduardo sorri, simples. Nunca pensara em enriquecer, mas o bichinho do lucro começou a roer suas ideias.
Foi ao banco (só para ver como é), falou com o gerente. Conseguiu um financiamento. Trouxe gente, vendeu os bichos, arrancou o pomar, amassou as verduras e, duas semanas depois, uma grande planície vermelha indicava o prenúncio de uma nova lavoura de soja.
A soja já esverdeava a propriedade quando veio o temporal. Granizo grosso. Eduardo, olhos rasos d’água, vê seu sonho de riqueza derreter-se com o gelo. A propriedade, gota a gota, passando para o cofre do banco. Lembrou de Antônio e de sua aposta. Cometera o erro do irmão, só que não foram somente trocados. Apostara todas as fichas e perdera tudo.
Quantos de nós apostamos “todas as fichas” em um único aspecto da vida – a profissão, o relacionamento, uma amizade, um filho – e quando algo não acontece como esperávamos, nossa felicidade desaparece completamente.
Infelizes? Ainda há tantas coisas boas! Mas como tentamos sustentar toda nossa vida em apenas um pilar, fracassamos.
Eduardo estava certo quando cultivava um pouquinho de tudo. Faça o mesmo. Seremos um pouquinho felizes todos os dias, por vários motivos.
A felicidade é um bem que não admite apostas.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

A PEDRA


Havia uma pedra no caminho, já dizia o poeta. E, se ele dizia, quem sou eu para questionar?
Pois bem, em nossos caminhos há muitas pedras. Pedras angulares, pedras filosofais, pedras no sapato... Muitas.
Há quem sente na pedra, no meio do caminho e chore, desolado. Há quem construa muros, há quem construa pontes. Há quem as contorne, há quem as jogue no telhado de vidro do vizinho, há quem as carregue.
Tonico era assim. Ganhara quando criança uma mochila, que trazia sempre às costas. Nela, carregava suas pedras-do-meio-do-caminho.
Nunca soubera exatamente porque carregava-as. Quando questionado, ora não sabia responder, ora dizia que era para preservar a integridade dos dedões de seus entes queridos. Enquanto pudesse carregar seu fardo, ninguém à sua volta tropeçaria.
Mas, e há sempre um mas, Tonico sofre, e bufa, e geme, e chora. Há anos já ultrapassou seus limites e a mochila, cada vez mais repleta, insiste em vergá-lo em direção ao chão.
Exausto, derrotado por fim, ele para e deposita cuidadosamente a mochila no solo. Pega uma por uma as pedras que carrega e as observa. Esforço de uma vida inteira que agora parece esvair-se.
Num último alento de força, clama por seu pequeno rebento. Herdeiro de sua sina, como Tonico fora um dia para o próprio pai.
O menino chega e, lágrimas nos olhos, vê o último gesto de um ancião que tomba: um indicador trêmulo em direção às pedras, que logo cai para nunca mais mover-se.
O pequeno, em pranto, faz um esforço para compreender a mensagem silenciosa. Nunca compreendera o gesto do pai, nem a mania de aumentar o próprio fardo, de curvar, a cada dia mais, em direção ao solo que o aguardava silenciosamente.
O herdeiro acerca-se da mochila, tenta levantá-la. Geme, bufa, sofre e nada mais consegue do que arrastá-la para mais perto. Tira as pedras cuidadosamente da mochila e vai colocando-as à volta do seu pai – ele gostava tanto delas!
Espanta-se ao perceber que são muitas. Centenas, milhares... Mais do que caberiam em mil mochilas. Seu rosto ilumina-se. Sabe o que fazer.
No dia seguinte, quem passa naquele caminho encontra um túmulo de pedras. Caprichosamente erigido. Cada um com suas pedras -  pensa o pequeno herdeiro.
Adiante, tropeça em uma inesperada pedra. No meio do caminho. E geme, e bufa, e chora vendo o dedo que sangra e a unha partida. Não sabia que doía tanto, pois nunca tropeçara. Lembra o gesto do pai.
Mancando ainda, toma a pedra em suas mãos. Lamenta a falta da mochila, deixada para trás. Deposita a pedra fora do caminho – não tem outra escolha – e segue seu destino.
Do céu, Tonico, que observava apreensivo a cena, ainda torto pelo hábito do peso e arrependido de tão duro legado deixado ao filho, ilumina-se em um sorriso: - Essas crianças! Ainda bem que nem sempre copiam nossos erros.
A família do Tonico? Ah, eles aprenderam a caminhar!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

A VIDA E O MAR


Caminhando à beira-mar, talvez conversando com este, buscava, numa atividade pueril um presente que lembrasse aquele momento.
Praias e conchas têm tudo em comum. Tanto que nas conchas fica guardado o som do mar. Sem elas, este ficaria mudo.
No local onde estava, o dia nascendo, o mar de um azul profundo, tingindo-se de ouro ao nascer do sol. A areia intocada naquela manhã ficava por alguns segundos com a impressão de meus pés. Minha alma, com uma lição gravada para sempre.
Não havia conchas na praia. Vez ou outra, o mar mostrava uma, que era logo carregada pelas águas que retornavam. Neste momento, deu-me um presente: contou-me um segredo.
O mar dá mostras de seus presentes e os leva de volta com as ondas, assim como a vida nos mostra pequenas (ou grandes) que vem e que vão.
Quem fica à beira-mar, como eu, não pega grandes conchas. Encontra uma ou outra, pequenina. Se distrair os olhos com a paisagem, parece que não há nenhuma. Mas as que encontrei são lindas! E quanto mais me fixava, mais o mar ia presenteando.
Quando buscava uma concha que avistava mais ao longe e corria para pegar, sempre uma onda a carregava e escondia, como a dizer: “Esta não é para ti agora. Vigia e concentra, não percebeste as que estão a teus pés.”
As pequenas felicidades (ou grandes) que temos nesta vida são uma amostra do que um dia iremos viver. Assim como o mar convida os caminheiros ao mergulho, a vida nos convida ao aprofundamento.
Quem não busca a felicidade, ou quem se distrai com as belezas efêmeras, dificilmente a encontra. Muitas vezes só a reconhecemos quando, como o caminheiro distraído, ferimos nossos pés com uma concha. Às vezes somente a dor nos faz perceber a felicidade.
Retornei com algumas conchas e uma ânsia de profundidade. Não de mergulhos no mar, mas da sabedoria que nos faz realmente aproveitar a vida, evoluindo. As conchas? Trouxe-as comigo, feliz com cada uma das pequeninas.
Aprendi com o mar que, no fim, não é o tamanho da concha que importa, é a busca. Mas se não valorizamos os pequenos presentes que a vida nos dá, esta perde o sentido. Nascemos para ser felizes e mergulhar. Se só somos felizes, ou se somente mergulhamos, estamos vivendo pela metade.

CONVERSAS ÍNTIMAS


Calma, não é um conto erótico. Em tempos de erotização em novelas, músicas e programas ditos “populares”, qualquer menção a intimidade lembra erotização.
Quando adolescente, li em uma revista que cristais tinham a capacidade de guardar informações, desde que as mentalizássemos perto deles. Não tive dúvidas, juntei uns trocados e comprei uma bolinha de cristal. Fiz todo o procedimento, lavando-a em água corrente e energizando no sol por três dias. Depois, guardava-a em um local seguro, para que somente eu a tocasse.
Conversava com ela todos os dias.  Ou melhor, mentalizava meu dia-a-dia, na esperança de que ficasse gravado no cristal. Talvez um dia a humanidade encontrasse-o, como uma cápsula do tempo, pensava eu.
O tempo passou, amadureci, e o cristal perdeu-se em meio a tantas mudanças. Não faz diferença. Hoje compreendo que o importante não era o ritual, ou o cristal. O importante é que, enquanto mentalizava, exercitava o autoconhecimento.
Talvez este seja o motivo do blog. Enquanto escrevo, converso comigo mesmo e organizo ideias, pensamentos e sentimentos. Enquanto escrevo, “olho para dentro” e conheço-me.
Quando trata-se de conversas íntimas, vale qualquer meio: conversar com analista, com amigo, com a mãe, com uma planta, com um cristal ou com os botões... tanto faz. O objetivo é que importa.

Vemos o mundo através de nosso ponto de vista. Quanto mais nos autoconhecermos, mais poderemos compreender o mundo à nossa volta. E, assim, viveremos melhor, mais saudáveis e felizes.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Faça acontecer!


Pode parecer bobagem mas, se puder ter um pouquinho de paciência, talvez você possa ajudar. Enquanto você dorme, diverte-se, trabalha, convive com sua família, alguém lá fora está esforçando-se, tentando ajudar o semelhante.
Tenho visto professores visitando as casas de seus alunos, tentando encontrar uma maneira de motivar as famílias para o estudo. Tenho visto dentistas indo às escolas, pegando estudantes pela mão, um por um, e ensinando a escovar os dentes. Tenho visto pessoas que, sem cobrar nada, ensinam música, dança, esportes, cidadania. Tenho visto pessoas que acolhem, que conversam, que dão atenção, roupa, remédio, alimento, abrigo... Tudo isso silenciosamente, sem promoção pessoal, sem benefício pessoal, sem politicagem, sem esperar nada em troca.
Ao mesmo tempo, tenho visto alguns destes abnegados, assediados por pessoas que só sabem criticar, que só sabem dizer que “não vai dar certo”, que só sabem dizer que “não é da minha conta”, “não é problema meu”, desistirem ou estar na iminência de fazê-lo.
Há tanto o que fazer neste mundo! Precisamos de tantos! E há pessoas que, além de não ajudar, desestimulam quem tenta fazer de nosso planeta um lugar melhor para todos. Por favor, ajudem! Se não puder ser com ações práticas, pelo menos que seja com incentivos às pessoas que você conhece e que trabalham tanto pelo próximo!
Vamos fazer uma corrente de positividade. Vamos derrotar o ranço, o mau humor e o pessimismo de quem acha que “não adianta mais”. Hoje, olhe nos olhos daquela(s) pessoa(s) que você conhece e que lutam de alguma maneira para construir um mundo melhor, desde os gestos mais simples até os grandiosos projetos e agradeça. Agradeça e diga, sinceramente: “Não desista!”.
Se possível, auxilie também. Às vezes, um sorriso já basta. Ou um minuto de atenção e respeito. Ou um pequeno gesto de bondade, uma “mãozinha”, um incentivo. Faça acontecer!
Espalhe esta ideia. Se possível, para muita gente. Eu preciso de você e o mundo também! Se puder, melhore-a. Transforme em vídeo, em música, em cartazes, fotografias, o que for... Espalhe para seus amigos e convide-os a fazer o mesmo. Acredite! Agradeça! Auxilie! Conto com você!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Como criar um Blog

Aos alunos da E. M. E. F. Professor Leão Warren, que me pediram informações sobre como criar um blog, não tive tempo de criar ainda um vídeo próprio sobre o assunto, mas vou aproveitar o ótimo trabalho do Formação Grátis, para compartilhar aqui. Assistam os vídeos e qualquer dúvida, entrem em contato.


Parte 1

Parte 2