domingo, 4 de janeiro de 2009

Por que Portugal ainda não implantou o acordo ortográfico?

Há muitas divergências tanto no Brasil, onde o acordo já está em vigor, quanto nos demais países lusófonos (aqueles que falam a Língua Portuguesa) a respeito do acordo de 1990.

O objetivo deste acordo é a unificação da língua escrita, o que facilitaria, por exemplo, o comércio de obras literárias entre um país e outro, sem a necessidade da adaptação da linguagem. Uma das grandes questões que causam divergência em Portugal é a chamada “abrasileiração” da Língua Portuguesa, já que o acordo altera a grafia de apenas 0,5% das palavras no Brasil e, aproximadamente, 1,6% das palavras em Portugal.

Essa “abrasileiração” é uma afirmação, a meu ver, sem sentido, visto que até o começo do século XX a grafia em Portugal e Brasil era a mesma. Porém, em 1911, foi realizada uma profunda reforma ortográfica em Portugal, o que causou a diferenciação, já que o Brasil continuou com a grafia, digamos, tradicional da Língua Portuguesa.

Houve tentativas de acordo ortográfico entre Portugal e Brasil nos anos de 1931, 1945 e 1971. Sempre, de um lado ou de outro, houve divergências políticas que entravaram o processo. Os defensores do acordo afirmam que a unificação intercontinental aumentaria o prestígio da Língua Portuguesa, como aconteceu com a Língua Espanhola, onde o Castelhano é a variante padrão, embora a pronúncia varie muito de um lugar para outro. Além disso, o custo financeiro para a produção de livros seria menor, facilitando, por exemplo, a distribuição de obras científicas e a valorização dos termos científicos e técnicos em Língua Portuguesa, o que seria muito bom para os estudantes.

Há afirmações contrárias ao acordo, como o fato de que as mudanças são “tímidas”, deixando ainda muitas palavras com grafia facultativa. Outros ainda defendem que a Língua Inglesa, mesmo sem acordo ortográfico e com muitas variantes na grafia, tem mais projeção mundial que a Língua Portuguesa.

Os demais países lusófonos estão em compasso de espera. A maioria dos governantes está esperando a definição de Portugal e Brasil para então implantarem as mudanças.

5 comentários:

Kamilla disse...

Muito interessante seu blog!!!

Pra mim então nem se fala. Pois estpu estudando pra prestar no vestibular, e esta informações que você coloca aqui são ótimas!!!

Parabéns!!!

K.Rafael disse...

Esse assunto já está enjoando.

Prof. Pedro Rangel disse...

Kamilla, se precisar de alguma ajuda, pode falar! Só lembrando que as regras anteriores e as atuais continuam valendo para concursos e vestibulares. Fique atenta às notícias atuais por causa da redação! Abraço!
K.Rafael, sei que o assunto pode ser chato para alguns, mas outros estão precisando de informações sobre o assunto. Não posso agradar a todos ao mesmo tempo, então optei por ser útil. Abraço!

Balinha disse...

Acho que a gente devia para de fazer piada deles, aí acabaria essa disputa entre nós e os colonizadores, rs...

Anônimo disse...

quello che stavo cercando, grazie