domingo, 4 de janeiro de 2009

Editores de texto e a nova norma ortográfica

Para quem precisa escrever com a nova ortografia nos editores de texto, há o incômodo problema das correções automáticas, que teimam em colocar acentos onde não existem mais, ou dos sublinhados vermelhos, quando a palavra, agora, está correta pela nova regra ortográfica. O que fazer?

A boa notícia é que o BrOffice já tem uma atualização gratuita para resolver essa questão. Software livre tem essa vantagem. Como são muitas pessoas desenvolvendo o programa, as atualizações são rápidas.

Já a Microsoft ainda não tem previsão de quando estará disponível uma atualização para o seu pacote Office. O que está sendo afirmado, até o momento é que a atualização será gratuita. Há duas possibilidades no momento, ou conviver com os sublinhados, e retirar os acentos a cada vez que o programa os colocar, ou desligar a correção automática.

Uma terceira via seria clicar em Ferramentas > Opções de autocorreção e digitar você mesmo a nova grafia, utilizando a ferramenta substituir. Isso pode ser feito gradativamente, a cada momento em que a necessidade for aparecendo. É complicado, mas o editor deixa de colocar os acentos e continua corrigindo o texto.

Também não há ainda previsões para a alteração do corretor do Gmail. O que se sabe, pelos comentários das empresas, é que antes do final do prazo em que as duas regras ortográficas ainda coexistirão, as atualizações estarão prontas para instalação. Nenhum motivo para grandes preocupações portanto.

6 comentários:

Jason disse...

É, tava preocupado com isso...
Logo eu, que ainda não me acostumei muito com a nova regra, de escrever "ideia" e "aguento"... Pra mim é bem estranho, ainda não me adaptei.

É bom que a Microsoft adiante logo a parte dela aí.

FRX disse...

olha eu achei uma grande estupidez brasileira essa reforma ortografica uma bela perda de tempo com algo bemmmm desnecessario.
aproximar países que falam portugues???
nãosei da onde porque o que muda é a escrita a a pronuncia permanece igual=/

Igor" disse...

Realmente é complicado falar disso, uma coisa que eu não tinha pensado era nos editores de texto.
Eu acho que poucas pessoas irão aderir esse reforma das letras, para mim é uma coisa que é não faz muita diferença, muitos brasileiros desinformados vão engolir os acentos e tudo mais.

abraços.

http://igorleon-artes.blogspot.com/

Prof. Pedro Rangel disse...

Jason o que ainda não sei é se a Microsoft vai liberar a atualização para todos ou só para quem tem software original. Há muita gente por aí com software pirata!
FRX, você tem toda a razão quado comenta que a escrita muda, mas a fala não. O objetivo é este. Quando estamos falando com uma pessoa, é muito mais fácil comunicar. Temos uma série de recursos que nos permitem encontrar uma maneira de dizer o que queremos. A linguagem escrita é, por conta de seus suportes, mais "rígida", o que dificulta a comunicação. É por isso que, de vez em quando, é necessário fazer algumas adaptações. Isso já acontece cotidianamente quando novas palavras são incorporadas ao dicionário de nossa língua. Agora, a reforma é um pouquinho mais complexa, mas ainda assim, menos que em outras edições. Não fossem essas reformas, e estaríamos escrevendo "pharmácia", "êles" e assim por diante! Grande abraço!

Prof. Pedro Rangel disse...

Igor, aderir não é a questão. É uma lei, será obedecida ou não. Quem não a obedecer, seguirá vivendo sua vida tranquilamente, mas ficará à margem de sua própria língua. Isso não é problema para quem a usa somente informalmente, mas quem precisa usar linguagem formal terá que se adaptar.
Aliás, adaptação é uma palavra-chave em nossas vidas. Há alguns anos, muitos diziam que computadores e Internet "não iam pegar"...

Oitentando disse...

Olá Pedro passei pra responder seu post do Oitentando,
Eu ainda não coloquei todos os carros da época pq ficaria muito grande,mas irei pondo aos poucos,se puder vá acompanhando meu blog!!!
http://oitentando.blogspot.com/
ASbraços!!!