quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

De quem é a culpa no incêndio?



No dia 28 de janeiro foi noticiado no Jornal O Primeiro Online a queima de material no terreno onde ficava localizada a fábrica de piscinas Água Azul. Este incêndio poderia ter consequências bem mais graves, se não fosse o fato de a retroescavadeira da prefeitura colocar areia sobre as fibras em chamas e os muros que funcionaram como uma barreira para o fogo.

Comparecendo ao local, é fácil perceber o capim queimado, desde a beira do asfalto até o local onde estavam os restos de fibras. A estiagem que estava acontecendo até dois dias atrás deixou o capim seco, o que facilita a ocorrência de incêndios deste tipo.

É difícil precisar o que aconteceu, mas é possível supor. Basta um pedaço de vidro que funcione como lente para concentrar os raios solares, um toco de cigarro aceso, um palito de fósforo jogado ao acaso para começar uma grande tragédia. Em qualquer destas hipóteses, temos uma realidade comum: o hábito de jogar lixo em qualquer local. Esta é a principal causa de incêndios em campos, lavouras e florestas.

É preciso que nos conscientizemos que não é só o lixo em grandes quantidades que causa problemas. Todo e qualquer resíduo deve ter seu destino bem encaminhado, conforme suas características. Um simples ato pode evitar uma grande tragédia... ou causá-la!

Obs.: As fotos foram copiadas do site O Primeiro Online, e foram tiradas por João Batista de Castro.

2 comentários:

menteinquietaprocuraresposta disse...

Prof. Pedro essa sua noticia é muito importante e note o valor dela no dia dia das pessoas, talvez seja essa a tal "culpa"...
Embora eu Questionadora acredite que a culpa seja de cada um de nós que não separamos o nosso lixo corretamente e ficamos esperando as soluções cair do céu.
Passou da hora de levantar a bunda do sofá, de tirar essa mente preguiçosa da frente da televisão...
Ninguém vai fazer nada por você, por tanto se espera ou quer algo faça.
Não é possível que com tanta informação florestas sejam queimadas porque um vagabundo preguiçoso não teve o cuidado de apagar seu cigarro...
Olhe se existe um tipo de noticia que desperte em mim o pior dos meus sentimentos é essa, porque a desgraça não aconteceu por um episódio na vida de outra pessoa o que se tivesse ocorrido eu estaria muda, em silêncio com meus pensamentos, mas me desculpe as palavras e a minha falta de postura agora.
Um bosta filha da puta não pensar na merda que pode causar por causa de sua preguiça é de mais para minha cachola.
Vou ficar por aqui seu blog é maravilhoso e estou fora de mim...
É daqui pra pior!!!!!!!!!!

Questionadora

Prof. Pedro Rangel disse...

Questionadora, concordo com você. A culpa é de cada um de nós. Talvez não diretamente neste incidente isolado, mas como uma contribuição que vai potencializando esse tipo de ocorrência.
Separar o lixo, colocar no lugar certo, em dias e horários certos, reduzir o número de embalagens... Essas são coisas que podemos fazer sem custo nenhum. Pela experiência que tenho, nem dá mais trabalho do que deixar o lixo de qualquer jeito. É necessário criar consciência. Informação existe, mas a informação em si não garante a tomada de consciência. Esse é o trabalho que nós, educadores (pais, mães, professores), e as autoridades devemos ter como tarefa principal, pois é um grande desafio: vencer a acomodação.
Quanto a jogar cigarro, se acontece a partir da janela de um carro, é necessário perceber que estamos cometendo um crime de trânsito (jogar lixo em via pública) e dois crimes ambientais (depósito de lixo em local inadequado e queimada), isso sem falar na agressão à própria saúde. Talvez, para muitas pessoas, o volume do lixo seja diretamente proporcional à culpa que ele causa. Não deveria ser assim. Independente do volume, um erro é um erro!
Grande abraço e obrigado pela participação!